apoio ao doente

toda a informao

e apoio que precisa

 

Quimioterapia em Altas Doses e os seus Efeitos

  • Regime de Condicionamento

    Antes do transplante, o doente submetido a um regime de condicionamento. Ou seja, submetido a um tratamento no qual recebe quimioterapia em altas doses, cuja finalidade destruir a medula do doente e as clulas malignas. Pode durar de 1 a 7 dias e serem utilizados um ou mais citostticos, dependendo do seu regime de condicionamento.


    Existem 2 tipos de regimes de condicionamento:

    - Mieloblativos;
    - No mieloblativos.

     

    Nos mieloblativos (mielo=medula, ablao=eliminao) a quimioterapia destri, de forma irreversvel, toda a medula do dador.


    Nos regimes no mieloblativos, tambm chamados de intensidade reduzida, so eliminadas as clulas cancerosas mas a medula no completamente destruda.

     

    As altas doses de quimioterapia a que o doente submetido podem trazer complicaes como: alopcia, mucosite, cistite hemorrgica, doena heptica veno-oclusiva, CMV, entre outros

     

     

  • A quimioterapia administrada durante o condicionamento atinge tambm os tecidos normais, sobretudo aqueles que esto em permanente renovao. Por esta razo que cai o cabelo. A queda do cabelo ocorre 1-2 semanas aps a quimioterapia. Esta situao temporria. importante que o doente tenha o cabelo curto, para se adaptar ao novo visual. No internamento, por uma questo de higiene e conforto, os doentes acabam por pedir para cortar o cabelo bem curto, assim ser mais fcil se j tiverem se adaptado ao novo visual.

     

  • Mucosite e Diarreia

    Os tecidos que revestem o tubo digestivo (mucosas) so tambm muito sensveis quimioterapia e, por isso, aparecem leses, sobretudo na boca, garganta e esfago. A intensidade e extenso das leses varivel conforme o doente e o tratamento efectuado e podem manifestar-se por rubor ligeiro das mucosas, eroses mais ou menos extensas ou mesmo lceras que podem ser muito dolorosas e obrigar utilizao de analgsicos potentes. frequente nesta fase os doentes no conseguirem alimentar-se pelo que se tem que recorrer a alimentao pela veia.

     

    Outra manifestao relativamente frequente da descamao do tubo digestivo a diarreia. Nesta fase, o doente aconselhado a evitar o leite e seus derivados e alimentos ricos em fibras.

     

  • Pneumonia intersticial

    A pneumonia intersticial uma inflamao dos tecidos que envolvem as vias areas dos pulmes. Pode ser causada por infeces, como por exemplo pelo citomegalovrus (CMV), mas resulta muitas vezes da toxicidade do condicionamento, sobretudo nos doentes que fazem ou fizeram no passado radioterapia. O exerccio ajuda a evitar que as pneumonias sejam complicadas por infeces, embora seja muitas vezes difcil de tolerar nas duas primeiras semanas depois do transplante. Por esta razo todos os quartos dispem de uma bicicleta, alm disso muito benfico que os doentes faam exerccios respiratrios.

     

  • A doena veno-oclusiva heptica uma complicao do regime de condicionamento, sendo o risco maior em regimes mieloblativos, caracteriza-se pela ocluso das veias do fgado, ou seja, as paredes dos vasos hepticos dilatam-se, acumula-se fibrina no interior desses pequenos vasos, impedindo a circulao normal no fgado, podendo mesmo bloquear as pequenas veias hepticas. Disto resulta aumento de peso por reteno de gua no corpo, edemas e ascite (lquido na cavidade abdominal). Os doentes ficam com ictercia porque a drenagem da blis est tambm dificultada. Nas formas mais graves, pode resultar uma alterao acentuada da funo heptica. O tratamento visa aliviar os sintomas, reduzir o inchao e a ascite, enquanto o fgado se vai regenerando a si prprio.

     

  • Certos medicamentos utilizados no condicionamento podem provocar uma descamao da mucosa da bexiga que provoca dores, dificuldade em urinar e hemorragia. Estes doentes podem necessitar de muitas transfuses para corrigir as perdas e de lavagens frequentes da bexiga. Na grande maioria dos casos, a cistite hemorrgica resolve-se sem deixar quaisquer problemas, mas podem persistir sintomas durante algum tempo. Para evitar esta complicao os doentes, durante o condicionamento, recebem grande quantidade de soros so aconselhados a urinar frequentemente e tomam um medicamento para proteger o aparelho urinrio. Com estas medidas preventivas, a cistite hemorrgica s surge raramente.

     

  • A quimioterapia de condicionamento elimina a medula ssea e o sistema imunitrio e destroi as barreiras naturais contra a infeco (por ex., pele e mucosas da boca, intestino, etc.). Por isso, a maioria dos doentes tem infeces. O primeiro sinal a febre. A maioria das infeces so provocadas por micrbios que fazem parte da flora normal do doente e que s provocam doena devido diminuio das defesas do doente, sobretudo devido falta de glbulos brancos.

     

    Para reduzir a incidncia de infeces, mantm-se o doente em isolamento e utilizam-se antibiticos para esterilizar o intestino. Os alimentos devem estar estreis, por conseguinte a dieta deve ser rigorosamente vigiada. O isolamento implica que o doente permanea no quarto e que os mdicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem usem equipamento esterilizado quando entram no quarto.

     

    A partir do momento em que a medula produz um nmero de glbulos brancos suficiente, deixa de ser necessrio manter o doente isolado. O doente poder, inclusivamente, ter alta, mas o risco de infeces persiste, sendo a mais temvel a infeco pelo citomegalovirus (CMV), que um vrus que se encontra na grande maioria das pessoas em estado latente sem provocar doena, mas que em pessoas com defesas muito diminudas, como os doentes transplantados, pode provocar infeces muito graves. Actualmente, possvel, em muitos casos, prevenir e tratar precocemente as infeces por citomegalovirus. Para isso, necessrio uma vigilncia muito frequente dos doentes, mesmo depois de terem alta. As infeces por CMV so mais frequentes nos doentes que fizeram transplante alognico e que tm doena enxerto contra hospedeiro

     

artigos relacionados